dylan thomas

untitled-1-copy.jpg

E só hoje eu fiquei sabendo que estão filmando una película sobre a vida do Dylan Thomas, que está lado a lado da Sylvia Plath e e.e. cummings na lista de meus poetas preferidos ( e Robert Frost, Elizabeth Bishop… São vários, na verdade). Isso porque eu fiquei felicíssima quando assisti The Weight of Water com o Sean Penn, que faz um poeta divido entre sua mulher e relações extra-conjugais (aliás, o filme não gira em volta disso – só me lembrei dessa parte da narrativa porque ele cita o poema que eu mais gosto do Dylan). Assim como Dylan Thomas. E o novo filme vai falar disso.

É meio decepcionante, porque quando fui assistir Sylvia c/ a Gwyneth Paltrow, eu queria ver a poeta – não como as pequenas coisas a sufocaram e como o relacionamento dela com o Ted Hughes foi um buraco negro; muito pouco foi falado de seu trabalho – mas eu gostei daquela pequenina parte emq ue mostra ela recitando “Daddy” (daddy, daddy, you bastard, I’m through) – porque se você já ouviu a Plath recitando Daddy você deve ter se arrepiado quando ouviu a Gwyneth. Mesmo porque eu realmente acredito que você não precisa necessariamente saber da vida de um poeta da gostar de suas poesias – porque agora tudo quanto é scholar da Plath tem que fazer um contrast&compare da obra com a vida dela – porque é isso que o público quer ler – um pouco de desgraça.

E a Keira Knightley e a Sienna Miller estão no filme, como amante e esposa de Dylan Thomas, respectivamente (na foto acima, as duas, entre uma cena e outra, descontraindo- me faz ter vontade de ir na praia no frio mesmo (com umas wellington boots igual das menians acima, que os ingleses chamam de wellies – praticamente tudo soa melhor em British, não acham?).

O nome do filme é The Edge of Love (a roteirista do filme é mãe da Keira). O filme está marcado para estrear em abril do ano que vem, mas já está na lista de filmes para assistir.

And Death Shall Have No Dominion

And death shall have no dominion.
Dead mean naked they shall be one
With the man in the wind and the west moon;
When their bones are picked clean and the clean bones gone,
They shall have stars at elbow and foot;
Though they go mad they shall be sane,
Though they sink through the sea they shall rise again;
Though lovers be lost love shall not;
And death shall have no dominion.

And death shall have no dominion.
Under the windings of the sea
They lying long shall not die windily;
Twisting on racks when sinews give way,
Strapped to a wheel, yet they shall not break;
Faith in their hands shall snap in two,
And the unicorn evils run them through;
Split all ends up they shan’t crack;
And death shall have no dominion

And death shall have no dominion.
No more may gulls cry at their ears
Or waves break loud on the seashores;
Where blew a flower may a flower no more
Lift its head to the blows of the rain;
Through they be mad and dead as nails,
Heads of the characters hammer through daisies;
Break in the sun till the sun breaks down,
And death shall have no dominion.

Dylan Thomas
(em negrito, minha parte preferida)

Anúncios

7 comentários sobre “dylan thomas

  1. Giselle disse:

    Aqui está a tradução:

    E a morte perderá o seu domínio (Dylan Thomas)

    E a morte perderá o seu domínio.
    Nus, os homens mortos irão confundir-se
    com o homem no vento e na lua do poente;
    quando, descarnados e limpos, desaparecerem os ossos
    hão-de nos seus braços e pés brilhar as estrelas.
    Mesmo que se tornem loucos permanecerá o espírito lúcido;
    mesmo que sejam submersos pelo mar, eles hão-de ressurgir;
    mesmo que os amantes se percam, continuará o amor;
    e a morte perderá o seu domínio.

    E a morte perderá o seu domínio.
    Aqueles que há muito repousam sobre as ondas do mar
    não morrerão com a chegada do vento;
    ainda que, na roda da tortura, comecem
    os tendões a ceder, jamais se partirão;
    entre as suas mãos será destruída a fé
    e, como unicórnios, virá atravessá-los o sofrimento;
    embora sejam divididos eles manterão a sua unidade;
    e a morte perderá o seu domínio.

    E a morte perderá o seu domínio.
    Não hão-de gritar mais as gaivotas aos seus ouvidos
    nem as vagas romper tumultuosamente nas praias;
    onde se abriu uma flor não poderá nenhuma flor
    erguer a sua corola em direcção à força das chuvas;
    ainda que estejam mortas e loucas, hão-de descer
    como pregos as suas cabeças pelas margaridas;
    é no sol que irrompem até que o sol se extinga,
    e a morte perderá o seu domínio.

    (tradução: Fernando Guimarães)

  2. Giselle disse:

    Essa é a tradução que eu achei, embora eu não concorde com algumas coisas, como o próprio título onde o tradutor coloca shall have not como perderá e elbows como braços e assim vai… Mas acho que ele está dentro da tal licensa poética.

  3. Nessa disse:

    Dylan Thomas me arrepia de uma maneira que chega a assustar, mas eu confesso que não gosto da idéia de colocar meus xodós em filmes que provavelmente vão me desagradar. Eu sei que isso é uma forma de pessimismo barato e sem graça, mas é sempre nisso que eu penso quando vejo que vão filmar alguma coisa sobre alguma figura que eu admiro.
    Sou chatinha pracarái, né?

    E Descendents… ai… Descendents não lembra só minha adolescência (ainda bem, pq acho que a adolescência podia ser apagada da minha memória!), ainda é trilha sonora atual!

    resposta:
    Já eu Nessa, consigo ficar mais uns anos sem ouvir Descendents. Meu Milo Goes to College não vê minha cara há anos.

  4. Veridiana disse:

    Neste ano teremos mais dois filmes sobre a vida de Dylan Thomas: “Dylan”, dirigido por Mick Davis; e “Caitlin”, dirigido por Marc Evans. A ver…

    resposta:
    Que interessante. Não sabia. Enquanto isso a gente vai lendo, os poemas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s